Princípios da Neuroeconomia

neuroeconoO campo da tomada de decisão é uma das grandes áreas de interesse dos neuroeconomistas.

Ao identificar as principais estruturas cerebrais envolvidas na tomada de decisão, os investigadores procuram disponibilizar esse conhecimento para uma melhor compreensão da natureza do ser humano enquanto agente económico.

Por exemplo, Padoa-Schioppa & Assad (2007) monitorizaram o cérebro dos participantes enquanto estes tinham de escolher entre dois tipos de sumo. Os investigadores detetaram que a soma dos disparos dos neurónios localizados no córtex orbitofrontal está diretamente correlacionado com a utilidade dos itens de alimento, ou seja, a resposta localizada no córtex orbitofrontal a um particular alimento (neste caso, sumo) não depende de outros alimentos que estejam disponíveis ao mesmo tempo.

Tais resultados sugerem que os neurónios do córtex orbitofrontal codificam valor e não preferências relativas. Observações similares também foram avançadas pelos mesmos investigadores quando, num outro estudo, constataram que durante decisões económicas, os neurónios do córtex orbitofrontal codificam o valor dos bens disponíveis, independentemente de fatores visuoespaciais e respostas motoras (Padoa-Schioppa & Assad, 2006). Caso as pessoas escolhessem entre A e B, os neurónios do córtex orbitofrontal codificavam o valor dos dois itens, independentemente da ordem dos itens (A apresentado à direita e B à esquerda, e vice-versa) (Padoa-Schioppa & Assad, 2006).

Outro dos focos da pesquisa em neuroeconomia prende-se com as decisões tomadas sob condições de risco e incerteza. Segundo vários estudos de neuroeconomia, foram encontradas algumas regiões do cérebro envolvidas em lidar com situações de incerteza. Em tarefas que exigem que os participantes façam previsões sobre o resultado, verificou-se que há um aumento de atividade cerebral no córtex frontomedial (Volz et al., 2003; Volz et al., 2004) bem como um aumento mais generalizado no córtex pré-frontal mesial (Knutson et al., 2005) e no córtex frontoparietal (Paulus et al., 2001). Outros estudos atribuêm à dopamina um papel importante na transmissão de informação em condições de incerteza. Os neurónios dopaminérgicos estão fortemente envolvidos no processo de recompensa e estudos efetuados em macacos mostraram que o nível de atividade dopaminérgica estava altamente correlacionada com o nível de incerteza de tal modo que a atividade aumenta com a incerteza (Fiorillo et al., 2003).

Por outro lado, em situações que envolvam risco, o córtex insular parece ser que manifesta atividade significativa (Paulus et al., 2003). Por exemplo, numa situação bastante comum, conhecido como “dobro ou nada” na qual os participantes podem optar por parar de jogar e ficam com a quantidade acumulada até então ou fazer uma opção arriscada na qual podem perder tudo ou duplicar o valor acumulado, a ínsula direita exibiu atividade neuronal bastante significativa sempre que os participantes optavam pela opção arriscada (Paulus et al., 2003). Tais resultados sugerem que o córtex insular simula as possíveis consequências negativas que podem advir das opções arriscadas.

E muito mais existe para abordar, reflectir e validar…no Master Course Neuromarketing!

FONTE: Rodrigues et al (2015). Princípios de Neuromarketing. A neurociência aplicada ao consumo, espaços e design. PsicoSoma.

Ficou o interesse? Veja tudo aqui
check-in

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s