Kahneman: “o problema é que nós sabemos que não sabemos”

O Prémio Nobel de Economia 2002 tem no seu livro “Pensar depressa e devagar”, uma obra que sintetiza cinco décadas de estudo sobre o comportamento intuitivo e racional das pessoas.

Kahneman 2002 tornou-se o primeiro não-economista premiado com o Prémio Nobel de Economia pela sua investigação acerca do processo de tomada de decisões em momentos de risco e incerteza.

dk-620x420
D. Kahneman – Professor de Psicologia da Universidade de Princeton e membro da Academia Real de Economia e Finanças

O livro resume a sua investigação sobre o pensamento dos seres humanos. Kahneman argumenta que existem duas maneiras de pensar: Sistema 1, rápido, intuitivo e emocional, e o mais lento, corajoso e racional do Sistema 2. O ex-oferece conclusões automaticamente, e as segundas respostas conscientes.

As suas teorias influenciaram a “economia comportamental”, corrente que assegura que o processo financeiro não é tão “imprevisível” como parece. A teoria económica neoclássica afirma que os agentes económicos agem racionalmente na procura pelo lucro máximo, mas investigações comportamentais mostraram que os nossos julgamentos são cognitivamente, emocionalmente e socialmente condicionados.  O comportamento humano está além dos orçamentos do mercado.

Deixamos aqui alguns momentos de uma entrevista realizado por E. Vasconcellos, em Madrid para o jornal ABC:

– A sua teoria é um pouco “pessimista” sobre o controlo real que temos sobre nossas decisões. Estamos tão condicionados que não nos damos conta …
– Eu não acho que podemos mudar a natureza humana. Nós não podemos decidir a pensar melhor. Eu não sou negativo: Eu não acho que as pessoas têm um mau sistema de pensamento, mas eu acho que é difícil aprender a pensar melhor. A educação permite-nos ser mais eficaz quando pensamos, porque ajuda a usar mais o Sistema 2 (racional). No entanto, não altera profundamente o equilíbrio de poder entre os dois sistemas.

– Já registou diferenças culturais no uso de um ou outro sistema?
– Não tenho feito um estudo sistemático sobre as diferenças culturais, mas é um tópico muito “na moda” em psicologia. Há muitos estereótipos, mas há diferenças, especialmente na medida em que algumas culturas favorecem uma ação imediata contra outros que promovem uma ação mais lenta. Existem áreas em que são observadas diferenças entre o Oriente eo Ocidente, por exemplo, a velocidade com que as decisões são tomadas. Outra diferença importante é o conceito de felicidade, bem-estar. Alegria, excitação ou satisfação são mais importantes no Ocidente do que no Oriente, onde a calma é mais apreciada.

“Estamos muito confiantes nos julgamentos que formamos com muito pouca informação»

– Superestimamos a nossa capacidade de decidir “corretamente” e da qualidade da informação disponível?
– Essa é precisamente uma das coisas que se destaca no livro. Nós tendemos a ter muita confiança nos julgamentos que fazemos com base em pouca informação. É um dos aspectos mais “estranho” da cognição. Somos capazes de desenvolver interpretações muito rápidas; isso é maravilhoso, porque permite-nos agir rápido, mas caso contrário, não estão cientes do que não sabemos. “Nós sabemos que não sabemos.”

– Como sabemos que a informação que temos para decidir é suficiente e de qualidade?
– É impossível. Quando se está a formar uma impressão de algo, ou alguém, e isso é realmente importante, é possível reduzir o ritmo e dizer: “Sim, eu tenho uma imagem muito clara desta pessoa, mas vou analisar os dados disponíveis para mim “. E quando o fazemos, vamos perceber que temos pouca informação confiável para formar uma certa e correta impressão.

medo-de-amar

– Custa-nos admitir erros, acha que é mais por orgulho ou aquilo que considera como uma “incapacidade de reconhecer estados passados ​​de consciência”?
– Admitir erros é sempre desagradável. As pessoas têm uma opinião diferente quando as coisas estão indo bem ou mal. Quando eles vêem como uma decisão é tomada a partir do exterior, e tem um mau resultado, tendem a pensar que foi um erro e que deveria ter previsto as consequências. Mas levanta mais tarde “viés do resultado”. Por exemplo, quando ocorre um desastre, ninguém vai dizer: “O líder agiu de forma brilhante e, no entanto, existiu uma catástrofe.”

“Quando as pessoas mudam de opinião,” não se lembram” como pensavam antes”

– Fala no livro da importância do “quadro” do discurso. É a primeira batalha para aprender a pensar devagar, chamar as coisas pelo seu nome?
– O idioma é importante. Não é o mesmo exibir dados em termos de mortalidade (10%) ou em termos de sobrevivência (90%). As pessoas percebem de forma diferente. O problema é que as coisas não têm um nome único. Os políticos promovem conteúdos para um sistema, o sistema “emocional”, e não para o sistema racional. Planeiam as coisas de forma eficaz para os seus fins. Sistema 1 gera a melhor história possível a partir da informação disponível, história internamente consistente. O problema é que temos dificuldade de aceitar novas informações.

fz130412

– O seu trabalho centra-se nas escolhas que fazemos em risco. Muitas vezes também recebemos pressão para agir de forma errada.
– Claro. Isso acontece constantemente. As pessoas são muito sensíveis às pressões e às consequências imediatas que possam ter. Os efeitos a longo prazo são mais abstratos e mais difícil de manter em mente. Por exemplo, o aquecimento global: quando a ameaça é construída ao longo do tempo, será demasiado tarde para reagir.

Nas democracias, as pessoas são forçadas a pensar a curto prazo”

– Não levam a sério “ameaças” a longo prazo?
– Tomar as coisas a sério envolve um elemento emocional. As emoções são evocadas mais rápido e de forma mais agressiva para coisas imediatas. As democracias funcionam bem, por exemplo. As pessoas são forçadas a pensar no curto prazo. É um dos principais problemas das democracias.

– Diga-me uma figura pública que é mais racional do que impulsivo, e vice-versa.
– Os dois últimos presidentes americanos, Obama e Bush. Obama tem um estilo mais reflexivo. Bush era deliberadamente um líder intuitivo e orgulhoso.

– Mas as pessoas não censuraram essa atitude (Bush)
– Não, pelo contrário, as pessoas adoram a intuição! Gostam de líderes rápidos nas suas decisões.

– E na Europa?
– Não sei…

– Considera que é um problema todas as pessoas opinarem sobre qualquer coisa?
– Sem dúvida. Isso explica, em parte, a situação atual. É surpreendente que as pessoas votem e têm pontos de vista políticos sobre coisas que não têm nenhuma ideia, como a economia. Mas parte da nossa natureza. Ela está relacionada com o que eu disse antes: o problema é que nós sabemos que não sabemos.

Opinion-wide-article-insertion-1052x340FONTE
E. VASCONCELLOSEVASCONCELL / MADRID
Dia 16/06/2012 – 10:37
http://www.abc.es/20120615/cultura-libros/abci-daniel-kahneman-premio-nobel-201206151829.html

Anúncios